(11) 3316-1122
Escolha uma Página

“Percebi, que quando estava sozinha, evita o local pela dificuldade de realizar meu pedido, pois não teria ninguém que pudesse me ajudar, sentia até um frio na barriga”

Quem poderia imaginar que pequenas ações pudessem transformar o mundo? Às vezes, não paramos para pensar nisso, mas um simples gesto pode ser capaz de alterar a forma como vivemos.

E é esse o caso de Giovanna Andreo, de 26 anos, musicista formada em letras pela Unicamp. Desde pequena, ela canta e toca piano, violão e guitarra, podendo ser considerada uma apaixonada por música. Após trabalhar um tempo como professora, a musicista começou a trabalhar em uma empresa de Treinamento e Desenvolvimento de pessoas e equipes e se assustou quando descobriu há cinco anos um problema progressivo de perda de audição hoje, bem evoluído. Como ficaria sua vida sendo a música sua maior paixão?

Muitos pensaram que ela desistiria de continuar praticando, mas não foi bem essa a decisão que ela tomou, pelo contrário, afinal essa nunca foi uma opção.

Hoje, Giovanna toca pela vibração dos sons dos instrumentos. “Foi uma adaptação que começou de forma natural e que foi aprimorando com o tempo! Hoje a experiência musical se tornou muito mais intensa, diferente e me alivia muito perceber o quanto o nosso corpo surpreende!”, revela. Agora, sua intenção é poder ajudar todos que compartilham do mesmo problema de audição.

Uma pequena e importante ação que ela já realizou foi no restaurante mexicano Guaco, em Campinas, lá a ideia é que os clientes façam o pedido igual no Subway onde as pessoas vão escolhendo os ingredientes que querem em seu lanche.

Para Giovanna, o lugar sempre foi muito legal e, por ser, perto de seu escritório, virou quase uma ‘obrigação’ ir lá com uma certa frequência durante a semana. Rápido, gostoso e com o preço justo. Tudo parecia perfeito, porém “Esse sistema de pedidos no balcão, de conversa rápida, não é muito prático para os surdos. Talvez pelo fato de ter perdido a audição depois de mais velha, faço muitas comparações com situações de ouvinte/não ouvinte. E foi isso que aconteceu lá. Eu percebi que, toda vez que estava sozinha, acabava indo em outro lugar, pois não teria ninguém para me ajudar caso eu não entendesse e tivesse que entender rápido”, conta.

Para ela, é um frio na barriga ter que passar por essas situações de compreensão com pressão de tempo. Por isso, sempre seu namorado acabava fazendo o pedido por ela para evitar aquele nervoso.

https://www.instagram.com/p/BpiKrjnncyK/

Mas e se ela conseguisse mudar esse sistema?

Foi justamente o que a musicista decidiu fazer. “Acabei por escrever para o Guaco, sugerindo algum tipo de acessibilidade nesse aspecto. Acho que mais pessoas na minha situação podem se beneficiar com isso e, por incrível que pareça, eles foram super solícitos!”, conta.

O que Giovanna sugeriu foi uma ficha de pedido para facilitar a vida de pessoas como ela.

E não é que eles abraçaram a causa? Poucos dias depois a ficha já estava em sua caixa de entrada para sugerir mudanças e melhorias.

De fato, ações como essa são capazes de mudar para melhor a vida dos outros. “Elas impactam na nossa liberdade e na nossa independência diretamente. Essas ideias deveriam ser muito mais propagadas. Mas percebo frequentemente as pessoas sofrerem quietas pela sua dificuldade. Depois que eu caí de paraquedas na cultura surda, comecei a perceber o quanto de “perrengue” se passa e que poderia ser evitado com medidas simples de adaptação. Por isso, hoje, toda vez que eu sinto isso, eu escrevo, vou atrás, e vejo até onde consigo brigar pela mudança. Vale muito a pena. Pelos outros e por mim”, revela Giovanna.

“O mais engraçado é que a gente se surpreende muito com algo que, na verdade, deveria ser comum. A maioria das pessoas acha que acessibilidade termina na rampa de acesso, no número em braille no elevador… Mas a surdez é uma deficiência que passa meio despercebida. A gente é tão acostumado com o “se virar”, que quando algum lugar se dispõe a fazer algo do tipo, é pra abrir um sorriso de orelha a orelha. Fiquei muito, muito feliz mesmo, por mim e por todos os outros como eu. Acabei fazendo um post de agradecimento e jamais imaginaria que ele tomaria a proporção que tomou, mas valeu muito a pena. Sou fã do local desde sempre, mas agora eles ganharam um respeito diferenciado. Mesmo!”, disse ela.

Hoje,ela se orgulha e muito de ser surda e tenta melhorar o mundo a cada instante para todos. “Ninguém deve ficar de fora. Ninguém precisa passar nervoso, constrangimento. Todo mundo merece ser feliz por igual e o Guaco trouxe algo muito especial para ajudar nisso!”,conta.

É,a Giovanna conseguiu realmente fazer a diferença na vida dela e de pessoas que compartilham da mesma dificuldade. Que tal colocarmos esse ideal no nosso dia a dia também?

E aí, gostou? compartilhe essas boas notícias com outras pessoas, dá um clique aqui embaixo e #boraencantar