Pipoqueiro faz aniversário e presenteia clientes com um dia inteiro de pipoca grátis

“No meu aniversário, quem ganha o presente é você!”

Todos os anos, no dia 21 de março, o pipoqueiro Heber comemora seu aniversário presenteando a clientela com um dia de pipoca grátis.

Neste ano, ele não fez diferente: das 15h da tarde às 20h da noite, todas as pipocas servidas foram dadas gratuitamente para dezenas de clientes, amigos e curiosos que passavam por ali.

O comerciante oferece as pipocas como uma forma de retribuir o carinho e a lealdade dos muitos clientes que compram seu produto após um dia cansativo no trabalho ou antes de pegarem o transporte público, já que sua banca funciona próxima a um ponto de ônibus.

“É uma promessa. E tudo se trata de doação e gratidão, por tudo aquilo que ele conquistou graça a venda de suas pipocas,” diz a esposa, Suelene.

Quando passava por ali, Sheila não acreditou que a pipoca fosse de graça. “Falei, como assim?! Não sabia que era o aniversário dele. Heber é uma pessoa maravilhosa – guerreiro, trabalhador, uma pessoa nota dez.”

Viviane é cliente assídua do pipoqueiro há alguns anos. Ela conta que pega o ônibus no ponto que fica ao lado da banca de pipoca, e acaba comprando um saquinho uma vez ou outra na semana. “Mais do que cliente, também me considero uma amiga, pela pessoa maravilhosa que ele é.”

Questionada sobre como Heber age no dia a dia, Viviane não economiza nos elogios. “É um homem alegre, muito respeitoso, trata a todos extremamente bem. Saí do meu trabalho só pra vir aqui dizer feliz aniversário para ele.”

O caráter e humildade do pipoqueiro é exaltada por todas as pessoas que entrevistamos. Em uníssono, seus clientes ponderam seu atendimento encantador e seu gesto de bondade em distribuir gratuitamente as pipocas.

Suelene, casada com Heber há 13 anos, diz que o marido é um “homem muito simpático, com coração grande.”

Quando ele distribuiu pipocas de graça pela primeira vez, Suelene conta ter ficado desconfiada, crente de que aquilo seria desnecessário, um desperdício. Hoje, abraçou a ideia e fica tão contente quanto o marido.

Os clientes agradecem. “Sempre compro pipoca dele, ele sempre vende com muito carinho, mesmo quando a gente não compra ele sempre é simpático, pergunta como foi nosso dia, dá ‘bom dia’, ‘boa tarde’, ‘bom trabalho’ de muito bom grado,” diz Beatriz, que trabalha em uma empresa próxima à banquinha do comerciante.

“A iniciativa é muito legal, e podemos perceber que o que Heber faz é com muito amor e carinho, não é algo que ele faz ‘por fazer’ ou ‘para aparecer’. Tem afinco pelo que faz. É algo que ele gosta muito de fazer.”

Beatriz vai além, e diz que o atendimento do comerciante é mais do que encantador. “É a melhor pipoca e o melhor atendimento que já tive: perfeito.”